top of page
cresol.jpg
RM banner 1000x250.jpg
sicoob.jpg
abegg.jpg
sicredi.jpg
IMG_7261.JPG
banner p.o.jpg

Vigilância confirma caso de febre amarela identificada em macaco na região Missioneira


O Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs) confirmou no dia 02 de agosto, um caso de um macaco bugio identificado o vírus da febre amarela, localizado na cidade de Santo Antônio das Missões. O animal foi encontrado já morto, em área de mata, em junho, com o resultado confirmatório concluído nesta semana. É a segunda ocorrência em primatas no Rio Grande do Sul no ano.


Diante do achado, a Secretaria Estadual da Saúde (SES), por meio da Vigilância Ambiental em Saúde da 12ª Coordenadoria Regional de Saúde (CRS), onde fica Santo Antônio das Missões, realizará juntamente com o município uma investigação no local de ocorrência onde o macaco foi encontrado, procurando animais vivos ou mortos e façam a verificação do status vacinal da população humana que vive no entorno.


Desde o ano de 2009 não há casos humanos confirmados de febre amarela no Estado. A Vigilância Ambiental em Saúde investiga as mortes de primatas suspeitos e, com isso, determina as áreas de risco.


De janeiro a junho de 2023, foram notificadas 70 epizootias (mortes de um ou mais primatas) em 26 municípios do Estado, envolvendo a morte de 73 animais, nos quais foi possível a coleta de amostras em 66 deles. Nesses, foi detectada a presença do vírus causador da febre amarela em janeiro de 2023, em Caxias do Sul (na 5ª CRS) e agora esse nas Missões.


A doença


A febre amarela é uma doença viral transmitida por mosquitos dos gêneros Haemagogus e Sabethes que habitam áreas silvestres. É uma doença com alta letalidade, mas prevenível através de vacina. O homem e os primatas não humanos (PNH) são afetados pela doença.


A doença silvestre possui um ciclo natural entre mosquitos e macacos na natureza. A febre amarela urbana não ocorre no Brasil desde 1942.


Os primeiros sintomas são febre, calafrios, dor de cabeça, dor nas costas, dores musculares e mal-estar generalizados, náuseas e vômitos. Após esse período inicial, geralmente a temperatura baixa e os sintomas diminuem, provocando uma sensação de melhora no paciente. Porém, os sintomas podem reaparecer, seguidos por diarreia e vômitos com aspecto de borra de café.


O termo “amarela” se refere à icterícia (amarelão) apresentada por alguns pacientes nos olhos e na pele. É uma doença com possibilidade de piora importante em período de horas ou dias. Ao perceber os primeiros sintomas, a pessoa deve procurar um serviço de saúde, ingerir muita água e evitar uso de medicamentos por conta própria.


Importância da preservação dos macacos

Na natureza, as principais vítimas da febre amarela são os macacos, que no Rio Grande do Sul são representados majoritariamente pelas espécies do bugio e macaco-prego. Os primatas não são responsáveis pela transmissão. Esses animais são considerados como sentinelas, já que servem como indicador da presença do vírus em determinada região. A transmissão não ocorre de animal para humano. A doença é transmitida somente pela picada do mosquito.


Caso a população encontre macacos mortos ou doentes, deve informar o mais rapidamente ao serviço de saúde do município ou do Estado. O Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs) dispõe do telefone 150 para informações, com atendimento de segunda a sexta-feira (das 8h30 às 19h).


Vacinação


A imunização deve ser realizada pelas secretarias municipais de saúde. Pessoas que não têm comprovação vacinal deverão ser considerados não vacinados e devem se dirigir às Unidades Básicas de Saúde.


Crianças devem tomar a primeira dose aos 9 meses e um reforço aos 4 anos. A partir dos 5 anos, não vacinados recebem dose única. A recomendação de vacinação em dose única, de acordo com o calendário do Programa Nacional de Imunizações, vai dos 5 aos 59 anos.


A vacinação de pessoas com mais de 60 anos de idade, gestantes e mulheres que estejam amamentando crianças menores de 6 meses deve ocorrer em situações especiais (como emergência epidemiológica, vigência de surtos, epidemias ou viagem para área de risco, mediante a avaliação de risco/benefício, feita por um médico). Em mulheres que estejam amamentando, pode-se considerar a suspensão do aleitamento materno por 10 dias. Pessoas portadoras de comorbidades devem receber avaliação de risco/benefício prévia à vacinação.


A SES também alerta que, em ambientes silvestres, a população deve sempre usar repelentes, observando as recomendações de cada fabricante em relação ao prazo de ação efetiva de cada produto.


Fonte: Secretaria Estadual da Saúde


Comments


bottom of page