top of page
cresol.jpg
RM banner 1000x250.jpg
sicoob.jpg
abegg.jpg
sicredi.jpg
IMG_7261.JPG
banner p.o.jpg

Preço médio da gasolina atinge valor recorde nos postos em abril; diesel tem maior aumento no Sul


O preço médio da gasolina no Brasil atingiu o recorde de R$ 7,498 na primeira quinzena de abril, subindo 2,88% ante o fechamento de março. A informação é do levantamento da ValeCard, empresa especializada em soluções de gestão de frotas.


Segundo a pesquisa, apenas a Bahia registrou queda no valor do combustível, de 2,03%, a R$ 7,424. Enquanto o Piauí apresentou a maior alta entre os estados, de 5,03%, para R$ 8,190.


Nos últimos 12 meses, a alta da gasolina marcou 30,69%, segundo pesquisa da ValeCard, que monitora os preços através das transações realizadas com seu cartão de abastecimento em cerca de 25 mil estabelecimentos.


Diesel tem maior aumento no Sul


Já o preço médio do litro do diesel comum no Brasil aumentou 3,96% na primeira quinzena de abril, a R$ 6,864, em relação a março, ainda refletindo um forte reajuste da Petrobras no início de março, segundo o IPTL (Índice de Preços Ticket Log).


Já o diesel tipo S-10 subiu 3,62% e fechou a R$ 6,984, no mesmo período, segundo levantamento realizado com base nos abastecimentos em 21 mil postos credenciados da Ticket Log, marca de gestão de frotas e soluções de mobilidade da Edenred Brasil.


O diesel registrou alta nos postos de todas as regiões do país. O Sul teve o maior aumento do tipo comum, de 5,40%, no valor de R$ 6,484, enquanto o Nordeste apresentou maior avanço do S-10, de 4,32%, a R$ 7,054.


Um recuo no valor dos dois tipos de diesel foi modesto e se limitou ao estado da Bahia, que registrou redução de 0,13% no tipo comum, para R$ 6,750, e ao Amazonas, que apresentou baixa de 0,10% no tipo S-10 a R$ 6,672.


A Bahia conta com uma refinaria privada após a conclusão da venda da unidade no estado pela Petrobras, no ano passado. Dessa forma, o combustível não sofreu impacto direto do reajuste da estatal em março.


Fonte Agência Brasil

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil



Comentarios


bottom of page