top of page
cresol.jpg
RM banner 1000x250.jpg
sicoob.jpg
abegg.jpg
sicredi.jpg
IMG_7261.JPG
banner p.o.jpg

Novo ciclone será formado sobre o RS nesta quarta, diz Inmet


O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) confirmou, na tarde desta terça-feira (11), a formação de um novo ciclone sobre o território do Rio Grande do Sul a partir da manhã desta quarta (12). De acordo com a meteorologista Márcia Seabra, o fenômeno começará na Região Central do estado e se deslocará em direção ao leste, com maiores impactos sobre a Região Metropolitana de Porto Alegre e a Serra do RS, áreas onde estão previstos ventos de até 110km/h e volume de chuva superior a 100mm em alguns pontos.


O Inmet e a Defesa Civil Nacional detalharam a trajetória do fenômeno. O deslocamento do ciclone deverá atingir o Leste do Rio Grande do Sul entre a tarde e a noite. Ao contrário do ciclone extratropical que atingiu o estado em junho, o Litoral Sul também será atingido por fortes rajadas de vento.


"Esses ventos serão tão fortes quanto aqueles (de junho). O que a gente tem de diferente é que na área desse aqui teremos ainda mais cidades atingidas. A área é maior, tanto é que ele vai se deslocar e as rajadas vão chegar até mesmo a Santa Catarina, Paraná e outros estados", comentou Seabra.

De quarta para quinta-feira (13), o vento começará a se deslocar para o Oceano Atlântico e Santa Catarina e, em outros estados, o vento perderá intensidade. Até sábado (15), as rajadas atingirão até mesmo o Rio de Janeiro, embora com muito menos força.


Áreas com maior risco

Região Metropolitana de Porto Alegre

todo o Litoral

Serra Chuvas superiores a 100mm

Além das fortes rajadas de vento, há previsão de muita chuva para o Rio Grande do Sul entre quarta e quinta, ultrapassando os 100 mm em alguns pontos. O Inmet está com especial atenção para a Região Metropolitana de Porto Alegre, é para esta região que estão previstos os maiores volumes de chuva e os mais fortes ventos, de até 110 km/h.

Em Porto Alegre, de acordo com Seabra, a precipitação média para julho segundo a série histórica é de 163 mm, mas a previsão é de que a Região Metropolitana tenha um volume de chuva superior a 100 mm apenas entre quarta e quinta. Até o momento, choveu 46 mm na Capital neste mês de julho.

Além disso, há pouca chance de incidência de granizo sobre o Rio Grande do Sul, mas não está descartado que o fenômeno também ocorra, especialmente na quarta.

E depois do ciclone?

Ao longo da quinta, o ciclone se deslocará para Santa Catarina e o Oceano Atlântico. No estado vizinho, fortes ventos deverão atingir a Serra e o Litoral Sul, de acordo com Seabra.

Uma massa de ar frio chega na sexta (14) ao Rio Grande do Sul, com previsão de geada para vários pontos do estado. A temperatura vai se aproximar dos 0ºC em diversas regiões do estado.


Entre quinta e sexta, a meteorologista também não descartou a possibilidade de neve nos pontos mais altos da Serra.

No Oceano Atlântico, a Marinha do Brasil já também alertou os navegantes: há previsão de fortes ressacas até sábado do Chuí até o norte do litoral do Rio de Janeiro. Ondas podem alcançar até 4,5 metros de altura e a orientação é de não navegar, se possível.

Surgirão novos alertas?

O alerta atual emitido pelo Inmet é o de cor laranja, o segundo pior da escala. O alerta máximo é o vermelho e, de acordo com Seabra, ele deverá ser emitido na manhã de quarta pois, naquele momento, será possível apontar com maior precisão quais as regiões com maior força.

De acordo com Tiago Schnorr, coordenador-geral de gerenciamento de riscos da Defesa Civil Nacional, é preciso estar mais atento a áreas de encosta, com a possibilidade de deslizamentos, e a áreas localizadas próximo a rios, pelo risco de inundação.

A Defesa Civil pediu à população que envie seu CEP de residência por mensagem SMS para o 40199. Assim, moradores receberão automaticamente avisos atualizados quanto à situação de seu local de residência.

Schnorr reforçou a importância de dar preferência a cômodos de alvenaria e não de madeira sempre que possível. Em rodovias, a população deve evitar trafegar com veículos leves e caminhões-baú, especialmente em rodovias, pois são mais suscetíveis a acidentes em situações de eventos climáticos adversos.

497 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page