BANER PORTELA ONLINE NEGÓCIOS DAQUI.jpg
BANER PORTELA ONLINE 67 ANOS.jpg
redefort supersacolao.jpg
banner p.o.jpg
viatec.png
sicoob.jpg
abegg.jpg
sicredi.jpg
loterica 1000x250 (2).jpg
oeste pneus.jpg
cresol.jpg

Entra no grupo e receba as notícias do Portela Online - Clique aqui

whatsapp-logo-1.png

Médico gaúcho descobriu que seria demitido ao receber mensagem por engano no WhatsApp


Você já imaginou ser demitido por WhastApp? O médico Victor Hugo Heckert, de 29 anos, foi pego de surpresa por uma mensagem na rede social. O texto, encaminhado por engano na terça-feira (26), dizia que o último dia dele na empresa seria na quinta-feira (28).


Segundo apuração do portal G1, o morador de Erechim trabalhava em uma unidade de saúde no município de Barão de Cotegipe. A mensagem recebida no WhatsApp foi divulgada por ele no Twitter e viralizou. Até o fim da manhã desta quinta-feira, o tuíte somava mais de 93 mil curtidas. Devido ao alcance, ele até alterou seu nome na rede social para "demitido por whats".


Ao G1, o médico relata que a mensagem foi encaminhada a ele pelo funcionário da empresa responsável pelas contratações. Às 14h06 de terça, esse colega "encaminhou o que tinham mandado para ele, se eu sabia que meu último dia seria na quinta. E eu não sabia", diz.


Para o portal de notícias, ele disse que trabalhava há dois meses e meio na unidade de saúde. A contratação foi feita por uma empresa terceirizada. Ele atendia em segundas e quintas-feiras e afirma que no dia anterior ao recebimento da mensagem, trabalhou normalmente e não foi avisado sobre a demissão.


Após questionar o colega, soube que seria substituído. Segundo ele, o contrato que tem com a empresa exige um aviso-prévio de no mínimo 30 dias. “Eu fiquei revoltado pela forma com que aconteceu”, explica. Ele considera antiprofissional e antiético a forma como foi tratado.


Ele afirma que não depende da renda do emprego que perdeu, já que tem outros. Mas se viu refletindo: “Se eu tivesse só esse emprego, se dependesse integralmente, ser demitido seis dias antes de começar, sem programação, é muito ruim, não tem como te programar", disse ao G1.


O médico conta que fez a publicação como uma piada e não imaginava que pudesse viralizar. Além disso, ele falou ao G1 que muitas pessoas responderam com relatos parecidos. "Vi alguns comentários, e são situações parecidas e até piores do que a minha".


Apesar da repercussão nas redes sociais, ele não quis divulgar o nome da empresa.


G1


1.190 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo