top of page
cresol.jpg
RM banner 1000x250.jpg
sicoob.jpg
abegg.jpg
sicredi.jpg
IMG_7261.JPG
banner p.o.jpg

Leandro Boldrini é condenado a 31 anos e oito meses de prisão


Leandro Boldrini, acusado de ser o mentor intelectual da morte do filho Bernardo Boldrini, em abril de 2014, foi novamente condenado. A pena total foi de 31 anos e 8 meses de reclusão.


A leitura da sentença foi feita pela Juíza Presidente do Tribunal do Júri, Sucilene Engler Audino, no final da tarde desta quinta-feira, no Salão do Júri do Foro da Comarca de Três Passos, onde foi realizado o julgamento.

Após quatro dias de trabalhos, o Conselho de Sentença do Tribunal do Júri da Comarca de Três Passos chegou a um veredicto e entendeu que o réu é culpado pelo homicídio quadruplamente qualificado e por falsidade ideológica. Ele foi absolvido da acusação de ocultação de cadáver.


Confira as penas:


Homicídio quadruplamente qualificado – 30 anos e 8 meses de reclusão

Falsidade ideológica – 1 ano de reclusão falsidade


Leandro Boldrini acompanhou o primeiro dia de julgamento, mas, na terça-feira, foi solicitado atendimento médico e ele foi dispensado de permanecer em plenário.

Hoje pela manhã, a defesa dele comunicou que o réu não estava em condições de ser interrogado e ele retornou ao Presídio de Ijuí, onde permaneceu nos últimos dias.


Caso


Bernardo Boldrini tinha 11 anos quando desapareceu, em Três Passos, no dia 04/04/14. Seu corpo foi encontrado dez dias depois, enterrado em uma cova vertical em uma propriedade às margens do rio Mico, na cidade vizinha, Frederico Westphalen.


No mesmo dia, o pai e a madrasta da criança, Graciele Ugulini, foram presos, suspeitos, respectivamente, de serem o mentor intelectual e a executora do crime, com a ajuda da amiga dela, Edelvania Wirganovicz. Dias depois, Evandro Wirganovicz foi preso, suspeito de ser a pessoa que preparou a cova onde o menino foi enterrado.


Primeiro júri e anulação


Em 2019, Leandro foi condenado a 33 anos e 8 meses de prisão (30 anos e 8 meses por homicídio, 2 anos por ocultação de cadáver e 1 ano por falsidade ideológica).


Também foram condenados: Graciele Ugulini (34 anos e 7 meses de reclusão), Edelvania Wirganovicz (22 anos e 10 meses) e Evandro Wirganovicz (9 anos e 6 meses).


No final de 2021, a 1ª Câmara Criminal do TJRS considerou que houve quebra da paridade de armas durante o interrogatório do médico, anulando o seu julgamento.


Situação atual dos réus


O réu Leandro Boldrini está preso preventivamente desde 14/04/2014.

Graciele Ugulini segue presa e tem previsão para progressão de regime para o semiaberto em 09/07/2026.


Edelvania Wirganovicz está atualmente em regime semiaberto. E Evandro Wirganovicz está em regime semiaberto, atualmente em livramento condicional.


Fonte: TJ/RS

Foto: Sandro Medeiros/Portela Online

482 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page