redefort supersacolao.jpg
banner p.o.jpg
banner-hanauer-PO.png
viatec.png
rm-energia.jpg
sicoob.jpg
abegg.jpg
peixoto_instaladora.png
mecaninca jaime 1000x250.jpg
sicredi.jpg
WS ESCAVAÇÕES 1000x250.jpg
loterica 1000x250 (2).jpg
oeste pneus.jpg
cresol.jpg

Crianças estão liberadas de observação de 20 minutos após aplicação de vacina contra a Covid


A Secretaria da Saúde (SES) publicou nesta semana uma nova orientação aos municípios de retirar a obrigatoriedade para que crianças de 5 a 11 anos permaneçam em observação por 20 minutos após a vacinação contra o coronavírus. A medida vinha sendo adotada desde o início da aplicação para essa faixa etária como forma preventiva, caso ocorresse algum efeito adverso. Dados coletados até este momento, no entanto, indicam que não há mais a necessidade de espera.


Até esta terça-feira (19/4), cerca de 790 mil doses para essa faixa etária haviam sido aplicadas no Rio Grande do Sul, sem notificação de nenhum efeito grave após a aplicação. O Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs) monitora essas situações, tendo registrado até agora uma relação de 2,8 casos leves de Eventos Adverso Pós-Vacinação (EAPV) a cada 10 mil doses aplicadas, o que está dentro do previsto. Na maioria, esses casos foram de dor no local da vacina, vermelhidão, dor de cabeça ou febre, com duração de até 48 horas.


Apesar de não haver mais a obrigatoriedade do período de observação, a SES mantém a orientação de que os profissionais de saúde informem os pais ou responsáveis que acompanham as crianças sobre as principais reações esperadas. E orienta ainda que, caso venha a ocorrer alguma delas no período de até 30 dias depois após a vacinação, que os pais relatem ao mesmo serviço no qual a criança recebeu a aplicação.


A vacinação das crianças está liberada com dois tipos de imunizantes. A vacina pediátrica da Pfizer foi liberada para uso em crianças dos 5 aos 11 anos, num esquema de duas doses com oito semanas de intervalo entre elas. A Coronavac foi liberada para uso em crianças de 6 a 11 anos (desde que não imunodeprimidas), em duas doses, com intervalo de 28 dias entre elas.


Fonte: Secretaria Estadual da Saúde

Foto: Divulgação



134 visualizações0 comentário