top of page
cresol.jpg
RM banner 1000x250.jpg
sicoob.jpg
abegg.jpg
sicredi.jpg
IMG_7261.JPG
banner p.o.jpg

Servidores Públicos do RS rebecem restante do 13° salário nesta quarta


Com um depósito superior a R$ 2 bilhões a ser feito nas contas dos servidores públicos nesta quarta-feira (30/11), o Tesouro do Estado quitará o 13º salário de 2022 e a folha do mês de novembro. A primeira parcela da gratificação natalina já havia sido paga em 30 de outubro. Em nenhuma oportunidade na história do Estado havia ocorrido essa antecipação nos meses de outubro e novembro.


Do total dos recursos, cerca de R$ 1,3 bilhão serão destinados pelo Tesouro do Estado à parcela líquida da folha de novembro do Executivo. Outros R$ 750 milhões correspondem à quitação do décimo terceiro, que, neste mês vem com os descontos referentes às pensões alimentícias.


Ao longo do exercício, o governo do Estado vinha planejando, mensalmente, o fluxo de caixa, reservando recursos para quitar todos os pagamentos, evitando a geração de novos passivos decorrentes das indenizações pelos atrasos.


“Em um passado não muito distante, vivíamos uma grande dificuldade financeira no Estado. E, hoje, temos outra realidade. Cumprimos o nosso compromisso de regularizar os pagamentos. Os salários estão em dia, o décimo terceiro está sendo pago de forma regular e, inclusive, antecipada, deixando os servidores numa situação muito mais segura”, afirma o governador Ranolfo Vieira Júnior. “Precisamos reconhecer o trabalho e o esforço de muitas pessoas que nos ajudaram a alcançar esse resultado”, acrescenta.


Conforme o secretário da Fazenda, Leonardo Busatto, com essa regularização, o governo deixa de gastar nesses dois últimos anos recursos com indenizações do 13º salário estimadas em R$ 300 milhões, caso as folhas seguissem parceladas. Ao mesmo tempo, essa regularidade garante aos servidores previsibilidade e antecipação dos pagamentos que lhe são devidos.


O secretário enfatiza que a quitação do décimo terceiro é resultado da reestruturação das finanças do Estado, o que garantiu que os salários e todas as despesas do Executivo serão pagos em dia até final do ano, mesmo com as mudanças que ocorreram na esfera federal com impacto a arrecadação do Estado neste segundo semestre.


“Isso demonstra a relevância de todas as reformas e da organização financeira realizada, deixando o Rio Grande do Sul muito mais preparado para este momento. Mas sempre importante lembrar que precisamos persistir no caminho de austeridade, buscando sempre todas as medidas necessárias para que o ajuste das contas seja permanente”, acrescenta o secretário Busatto.


Texto: Ascom Sefaz

Edição: Secom


36 visualizações0 comentário

Kommentare


bottom of page