top of page
cresol.jpg
RM banner 1000x250.jpg
sicoob.jpg
abegg.jpg
sicredi.jpg
IMG_7261.JPG
banner p.o.jpg

Redentora e Campo Novo estão entre os 31 municípios que registraram casos de raiva herbívora em 2023

No ano de 2023, o Rio Grande do Sul contabilizou 78 casos de raiva herbívora, distribuídos em 31 municípios do Estado. Os dados foram divulgados pelo Programa de Controle da Raiva Herbívora da Secretaria da Agricultura, Pecuária, Produção Sustentável e Irrigação (Seapi) na segunda-feira (12/2), conforme o Informe Raiva 2023.


O número de casos foi menor do que o registrado em 2022, quando 109 focos foram identificados em 37 municípios. Em 2023, o Centro Estadual de Diagnóstico e Pesquisa em Saúde Animal Desidério Finamor (IPVDF) emitiu laudos positivos para raiva herbívora em 74 bovinos, três equinos e um ovino. Os meses com maior número de casos foram maio, junho e agosto do ano passado.


“O número de focos no período de outono e inverno sempre é maior. É por isso que recomendamos a vacinação dos animais agora no verão, para que a vacina possa ter tempo de fazer efeito e produzir anticorpos”, explica o analista ambiental do Programa de Controle de Raiva Herbívora, André Witt.


Para o biólogo, a diminuição de casos se deve às campanhas de vacinação e aos alertas epidemiológicos realizados pela Seapi ao longo do ano. “Além do controle dos morcegos em campo, principalmente nas áreas dos focos, que foi muito forte. A ideia é reduzir ou mitigar, impedir que haja prejuízos maiores para os produtores rurais”, acrescentou Witt.


Sobre a raiva herbívora


A principal forma de transmissão da raiva para herbívoros se dá pela mordedura do morcego hematófago Desmodus rotundus. Alguns esconderijos habituais desses animais são troncos ocos de árvores, cavernas, fendas de rochas, furnas, túneis e casas abandonadas, entre outros.


A orientação aos produtores rurais é de que, ao localizarem novos refúgios de morcegos vampiros, não tentem capturá-los por conta própria e comuniquem imediatamente a localização destes refúgios à Inspetoria ou ao Escritório de Defesa Agropecuária do seu município.


A captura dos animais é realizada somente pelos Núcleos de Controle da Raiva do Estado, devidamente capacitados, vacinados contra a raiva. As equipes são acionadas pelas regionais da Secretaria da Agricultura sempre que houver laudo positivo para raiva em herbívoro ou se forem constatados altos índices de mordedura em animais de produção em determinada região.


Municípios com casos registrados em 2023


Alegrete

Bossoroca

Cachoeira do Sul

Campo Bom

Campo Novo

Candiota

Capão do Cipó

Caraá

Dois Irmãos das Missões

Dom Feliciano

General Câmara

Gravataí

Itaqui

Itati

Jaguari

Jari

Lavras do Sul

Nova Esperança do Sul

Nova Roma do Sul

Parobé

Pedras Altas

Porto Alegre

Redentora

Rio Pardo

Santa Maria

Santiago

Santo Antônio da Patrulha

São Francisco de Assis

São Miguel das Missões

Silveira Martins

Taquara


Fonte: MB Notícias com informações Seapi

Fotos: Fernando Dias/Seapi


留言


bottom of page