BANER PORTELA ONLINE NEGÓCIOS DAQUI.jpg
BANER PORTELA ONLINE 67 ANOS.jpg
redefort supersacolao.jpg
banner p.o.jpg
viatec.png
sicoob.jpg
abegg.jpg
sicredi.jpg
loterica 1000x250 (2).jpg
oeste pneus.jpg
cresol.jpg

Entra no grupo e receba as notícias do Portela Online - Clique aqui

whatsapp-logo-1.png

Polícia mobiliza mais de 1,3 mil agentes em operação contra lavagem de dinheiro de facção do RS


Após um ano e meio de investigação da 1ª Delegacia de Sapucaia do Sul, com apoio do Ministério Público (MP), a Polícia Civil realiza nesta terça-feira (19) uma grande operação com cerca de 1,3 mil agentes, em quatro Estados, contra lavagem de dinheiro de uma facção gaúcha que tem base no Vale do Sinos.

A ação — considerada "a maior deste tipo da história" da instituição — conta também com o apoio de outras polícias, investiga cerca de 200 criminosos e visa apreender judicialmente um valor aproximado de R$ 50 milhões.


Ao todo, são 1.368 mandados judiciais. Somente de prisão são 66, sendo que alguns estão sendo cumpridos dentro de 14 presídios — um deles federal —, tendo como alvo líderes que comandavam crimes de dentro das cadeias.


A ofensiva ainda visa apreender 102 veículos e duas aeronaves, bem como 38 imóveis em várias cidades. A polícia também obteve do Judiciário 812 bloqueios fiscais, financeiros e ligados à bolsa de valores. Houve o sequestro judicial de 190 contas bancárias.


O responsável pela chamada Operação Kraken, delegado Gabriel Souza, diz que há ainda o cumprimento de 273 mandados de busca em 38 cidades do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, Paraná e Mato Grosso do Sul.


O objetivo básico, segundo Souza, é atacar as finanças de uma das maiores facções do Estado que está por trás do tráfico de armas e drogas, inclusive com o envio de entorpecentes por meio de drones para penitenciárias, mas também envolvida no roubo de carros e em assaltos. A organização também se envolveu na disputa com outro grupo, de Porto Alegre, que deixou 25 mortos em pouco mais de um mês.


Segundo a Polícia Civil, as apreensões são referentes a bens e valores adquiridos para ocultar diversos crimes cometidos por integrantes da facção em todo o Estado e em parte do sul do Brasil. Há latrocínios (roubo com morte) investigados. O grupo gaúcho, que atua como se fosse uma empresa, possui ligações nacionais e também internacionais com outras organizações.


Além da Polícia Civil, participam as polícias de SC, PR e MS, assim como Brigada Militar, Corpo de Bombeiros, Polícia Rodoviária Federal, Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe) e Departamento Penitenciário Nacional (Depen).


— Esta é a maior operação deste tipo da história da Polícia Civil. Estamos em 34 cidades gaúchas cumprindo 1,3 mil ordens judiciais para descapitalizar o crime organizado. E nosso trabalho iniciou a partir de Sapucaia do Sul no final de 2020, já com o sequestro de R$ 10 milhões desta facção — explica o diretor da 2ª Delegacia Regional Metropolitana, delegado Mario Souza.


Para poder reunir todos os agentes de várias instituições e não chamar a atenção dos criminosos, a polícia usou a sede da Fiergs, na Capital. Um helicóptero também foi utilizado na operação.


Fonte: Gaúcha ZH

Foto: Polícia Civil

476 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo