top of page
cresol.jpg
RM banner 1000x250.jpg
sicoob.jpg
abegg.jpg
sicredi.jpg
IMG_7261.JPG
banner p.o.jpg

Polícia encontra ossada de advogada que desapareceu há quase 2 anos em São Leopoldo



Alessandra Dellatorre desapareceu em 16 de julho de 2022, aos 29 anos, depois de sair para caminhar em São Leopoldo — Foto: Reprodução

Quase dois anos depois do desaparecimento de Alessandra Dellatorre, que sumiu em 16 de julho de 2022, aos 29 anos, após sair para caminhar em São Leopoldo, a Polícia Civil confirmou, em coletiva de imprensa na manhã desta terça-feira (18), que foi localizada a ossada da mulher.


A ossada foi encontrada em uma área de mata no limite entre São Leopoldo e Sapucaia do Sul no dia 7 de junho. O corpo estava no terreno do 18º Batalhão de Infantaria Motorizada do Exército e foi visto por militares que limpavam o local.


Após a localização, a perícia atestou a identificação da vítima a partir de um exame de arcada dentária. "A odontologia legal nos deu a identificação baseada na documentação odontológica que tínhamos da Alessandra", diz Maiquel Santos, diretor-geral adjunto do Instituto-Geral de Perícias (IGP).


Com a localização da ossada, o inquérito do desaparecimento de Alessandra foi encerrado, segundo a Polícia Civil. Um novo inquérito será instaurado para apurar as circunstâncias da morte. Não há indicativos de que tenha ocorrido crime, ainda de acordo com a Polícia Civil.


O desaparecimento

Alessandra desapareceu após sair para caminhar na Avenida Unisinos, em São Leopoldo, e não foi mais vista. Segundo a família, ela não levou o celular, nem documento de identificação. Imagens de câmeras de segurança mostram Alessandra usando um moletom preto e calça da mesma cor.


O local em que Alessandra foi vista pela última vez é próximo a um lugar com vegetação alta. A polícia, com auxílio dos bombeiros e de voluntários, fez buscas pela região à época. Cães farejadores e um helicóptero auxiliaram nos trabalhos. Cartazes com o rosto de Alessandra foram espalhados pelo local.


"Os fatos são que ela entrou naquela mata e não temos certeza de que ela saiu. Os cães farejadores não conseguiram dar certeza de que ela saiu", avaliou a delegada Mariana Studart, em entrevista à RBS TV quando o desaparecimento completou 1 ano.



Fonte: G1 - RS

Comments


bottom of page