top of page
cresol.jpg
RM banner 1000x250.jpg
sicoob.jpg
abegg.jpg
sicredi.jpg
IMG_7261.JPG
banner p.o.jpg

Polícia Civil mira facção que usava postos de combustíveis para lavagem de dinheiro

Atualizado: 12 de out. de 2022




A facção originada no bairro Bom Jesus, na zona Leste de Porto Alegre, que está envolvida na disputa territorial em andamento na Capital, voltou a ser alvo da Polícia Civil nesta terça-feira (11). Desta vez, o grupo aparece no centro de uma investigação que descobriu um esquema de lavagem de dinheiro envolvendo postos de combustíveis.


Produtos como gasolina, itens encontrados em lojas de conveniência e de eletrônicos eram usados para dar aparência de legalidade ao dinheiro obtido pela organização criminosa a partir de extorsão, compra e venda de armas, roubos, receptação e tráfico. Conforme as autoridades, muitos dos ilícitos eram cometidos na região Central de Porto Alegre.


Segundo o delegado Marcus Viafore, a investigação que deu início à Operação Benzina começou há dois anos. “Para se ter uma ideia, em um dos postos vinculados ao grupo em Porto Alegre, mais de 50% do faturamento de 3 meses foi em dinheiro em espécie, o que não se coaduna com a atividade normal do mercado para esse ramo”, afirma.


A força-tarefa teve 477 agentes e cumpriu nove mandados de prisão e 86 de busca. Até às 8h, seis haviam sido presos. Além de Porto Alegre, houve movimentação em cidades como Alvorada, Campo Bom, Canoas, Eldorado do Sul, Frederico Westphalen, Gravataí, Novo Hamburgo, Sapucaia do Sul, Tramandaí, Venâncio Aires, Viamão e Xangri-Lá.


Ao menos três postos de combustíveis e uma empresa que vende aparelhos de telefonia fizeram parte do esquema no decorrer do período investigado. O total movimentado pela facção no período chega a R$ 18 milhões. Os locais eram administrados por criminosos em liberdade, ou familiares de indivíduos presos.


Assassinato


Um dos episódios que chamou a atenção das autoridades foi a morte de um dos líderes da organização criminosa por trás do esquema. Ele foi assassinado em maio e, imediatamente depois, um dos postos de gasolina que ele administrava mudou de dono – dando continuidade à lavagem do dinheiro da facção. O homicídio ainda é investigado.


Fonte: Rádio Guaíba

Foto: Polícia Civil/Divulgação


Comentarios


bottom of page