top of page
cresol.jpg
RM banner 1000x250.jpg
sicoob.jpg
abegg.jpg
sicredi.jpg
IMG_7261.JPG
oeste pneus.jpg
banner p.o.jpg

Como vídeos de Luciano Hang provocaram a cassação do prefeito e do vice de Brusque


Prints de vídeos em que Luciano Hang marca o candidato Paulo Eccel foram citados no voto de Alexandre de Moraes. Foto: Reprodução

O prefeito de Brusque, Ari Vequi (MDB), e o vice, Gilmar Doerner (Republicanos), tiveram os mandatos cassados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) nesta quinta-feira (4), numa decisão surpreendente. Os ministros da Corte entenderam, por 5 votos a 2, que vídeos do empresário Luciano Hang, das lojas Havan, durante as eleições de 2020 representaram abuso de poder econômico em benefício da chapa vencedora. A mesma tese, apresentada pelo PT e outros partidos derrotados no pleito, havia sido rejeitada na primeira instância, no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) e por dois ministros da Corte superior. A cassação representa uma reviravolta no processo. Até então o entendimento do Judiciário havia sido de que os vídeos de Hang não seriam suficientes para configurar abuso de poder econômico, mas apenas a livre manifestação de um empresário e eleitor. Assim também havia entendido o ministro Edison Fachin no julgamento monocrático de outro recurso no TSE.


No recurso aceito nesta quinta-feira, o relator era o agora ex-ministro Ricardo Lewandowski, que se aposentou. Em abril, ele havia concordado com a decisão do TRE. Então o ministro Alexandre de Moraes pediu vista e o julgamento parou.


Nesta quinta, Moraes abriu divergência pela cassação dos mandatos. Ele entendeu que Hang usou a estrutura, funcionários e a marca da Havan em benefício da chapa vencedora (40,54% dos votos) e em prejuízo à chapa de Paulo Eccel (PT), que ficou em segundo lugar (19,42%).


– Enquanto pessoa física, o empresário Luciano Hang pode votar e deve votar em quem ele bem entender, pode defender a candidatura que ele bem entender, pode criticar os demais partidos, os adversários, isso não está em discussão nesse agravo. O que não é possível é colocar a força da sua empresa, com claro abuso do poder econômico, em detrimento de uma candidatura e a favor de outra candidatura — disse Moraes ao votar.


Moraes tratou o comportamento de Hang como uma campanha publicitária, usando camisetas com a marca da Havan, além de imóveis e colaboradores da empresa. Pesaram, na análise do ministro, o fato de que as postagens ocorreram nos últimos dias de campanha, quando o então candidato Ciro Roza (Podemos) havia tido a candidatura impugnada e os votos dele estavam em disputa, e o alto volume de visualizações dos vídeos em redes sociais.


Com a decisão, todos os envolvidos ficam inelegíveis, inclusive Luciano Hang.


Acompanharam o voto vencedor os ministros Carmen Lúcia, Benedito Gonçalves, Sérgio Banhos e Carlos Horbach. O ministro Raul Araújo votou com Lewandowski.


Os vídeos de Hang

As postagens feitas por Luciano Hang em redes sociais mantinham o tom crítico a partidos de esquerda que o tornou conhecido em todo o Brasil. O voto de Alexandre de Moraes cita 19 vídeos diferentes. Em alguns Hang marcou o candidato Paulo Eccel como o representante do "comunismo" a ser evitado. Em outros pediu votos diretamente à chapa de Ari Vequi.


A decisão do TSE vira a política de Brusque de cabeça para baixo e põe em alerta partidos e candidatos que tiveram apoio de empresários em redes sociais nas últimas duas eleições, em 2020 e 2022. Fonte: NSC Total

618 visualizações0 comentário
bottom of page