redefort supersacolao.jpg
banner p.o.jpg
banner-hanauer-PO.png
viatec.png
rm-energia.jpg
sicoob.jpg
abegg.jpg
peixoto_instaladora.png
mecaninca jaime 1000x250.jpg
sicredi.jpg
WS ESCAVAÇÕES 1000x250.jpg
loterica 1000x250 (2).jpg
oeste pneus.jpg
cresol.jpg

Colheita da soja é retomada e já alcança 55% da área cultivada


Houve predomínio de tempo chuvoso e úmido no início do período e retomada da colheita da soja, especialmente desde a última quarta-feira (13/04), no Noroeste, e da quinta-feira (14/04), no Centro e Norte do Estado, quando a redução na umidade dos solos e nos grãos permitiram a operação.


De acordo com o Informativo Conjuntural, produzido e divulgado nesta quarta-feira (20/04) pelas gerências de Planejamento e de Comunicação da Emater/RS-Ascar, vinculada à Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), o índice elevou-se significativamente de 38% para 55% da área cultivada. Outros 34% estão me maturação, 10% em enchimento de grãos e apenas 1% restante em floração.


No período houve intensa atividade nas lavouras, embora a menor estatura de plantas e vagens inseridas muito próximas ao solo demandou a realização do corte com mais cuidados e com máquinas em velocidade de trabalho mais lenta do que a normal, majorando o tempo da operação.


À medida que a colheita avançou, a produtividade reagiu positivamente, assim como a qualidade do produto colhido, diminuindo consideravelmente a proporção de grãos verdes ou malformados. Contudo, a expectativa atual ainda é mantida pouco abaixo de 1.500 kg/ha, na média estadual, com perdas acumuladas próximas a 55% em relação à projeção inicial.


Milho


Mesmo com o aumento das lavouras de milho em fase de maturação e com o tempo seco, que beneficia a perda de umidade dos grãos, novamente percebeu-se o avanço bastante lento nos trabalhos de colheita. O principal fator para essa lentidão está relacionado à colheita em curso nas lavouras de soja, em todas as regionais da Emater/RS-Ascar, que direcionam praticamente todo o maquinário e a mão de obra.


Essa oleaginosa apresenta risco muito elevado de perdas por debulha e por causa das chuvas excessivas ou do granizo se comparada ao milho. A colheita alcançou 82% da área cultivada. Outros 11% estão em maturação, 5% em enchimento de grãos e um restante de 2% em floração


Fonte: EMATER

Foto: divulgação


155 visualizações0 comentário