redefort supersacolao.jpg
banner p.o.jpg
banner-hanauer-PO.png
viatec.png
rm-energia.jpg
sicoob.jpg
abegg.jpg
peixoto_instaladora.png
mecaninca jaime 1000x250.jpg
sicredi.jpg
WS ESCAVAÇÕES 1000x250.jpg
loterica 1000x250 (2).jpg
oeste pneus.jpg
cresol.jpg

Chuva de meteoros poderá ser vista nesta quinta-feira, 21 de outubro


Quem não viu o Halley em 1986, tem uma espécie de prêmio de consolação agora em outubro. Uma chuva de meteoros chamada “Orionídeas”, causada pelos detritos deixados pela poeira do cometa em sua passagem, pode ser vista no céu.


O fenômeno apresenta melhor visibilidade em locais escuros e longe da poluição luminosa. O pico será no dia 21. “Essa chuva de meteoros acontece quando a Terra passa pelo ponto de sua órbita que contém detritos do cometa Halley. Esses detritos entram na atmosfera da Terra com uma grande velocidade, e a interação com o ar da atmosfera os aquecem até temperaturas muito altas, fazendo com que eles brilhem”, revela a diretora Marina Trevisan.


“O pico dessa chuva de meteoros será no dia 21 de outubro. Mas para observá-la, temos que nos afastar dos grandes centros urbanos e buscar locais com pouca poluição luminosa, como cidades no interior”, aconselha.


O professor de Astrofísica da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Roberto Cid Fernandes Junior, também sugere como observar melhor a chuva de meteoros. “A primeira coisa é procurar um local escuro e longe da cidade, como as praias, por exemplo. Depois da meia-noite em diante é o ideal para iniciar a observação.


Não é para se ter grandes expectativas, mas de 10 a 20 meteoros por hora o fenômeno deve proporcionar. Se a pessoa olhar para o céu pode enxergar de três a quatro meteoros por hora”, estima. Outra chuva de meteoros deixada pelo rastro do Halley, conhecida como “Eta Aquarídeos”, ocorre sempre em maio. Quem tiver mais paciência também pode esperar pelo próximo retorno do cometa daqui a 40 anos, em 2061.


Fonte: Correio do Povo

Foto: divulgação

1.336 visualizações0 comentário