redefort supersacolao.jpg
banner p.o.jpg
banner-hanauer-PO.png
viatec.png
rm-energia.jpg
sicoob.jpg
abegg.jpg
peixoto_instaladora.png
mecaninca jaime 1000x250.jpg
sicredi.jpg
WS ESCAVAÇÕES 1000x250.jpg
loterica 1000x250 (2).jpg
oeste pneus.jpg
cresol.jpg

Casos da variante Delta são confirmados em Palmitinho, Miraguaí, outros 15 municípios da região


Nesta sexta-feira, 22, o projeto UFSM-Detecta da UFSM Palmeira das Missões emitiu um comunicado de detecção de variantes de preocupação do vírus SARS-COV-2 na região.


O Projeto Detecta variantes tem como objetivo identificar as linhagens e variantes genéticas do SARS-CoV-2 circulantes na macrorregião norte do Rio Grande do Sul. Recentemente, teve início o rastreamento das variantes de preocupação (VOCs) em uma pequena amostragem de indivíduos portadores de SARS-CoV-2, gerando um total de 76 amostras, até o momento.


De acordo com os resultados de 76 amostras obtidos até o momento, pelo projeto Detecta-Variantes, foi possível encontrar mutações compatíveis com a variante Delta em 42 delas, nos municípios: Boa vista das Missões (1), Constantina (4), Engenho Velho (1), Gramado dos Loureiros (1), Miraguaí (1), Novo Xingu (1), Palmeira das Missões (4), Planalto (9), Redentora (5), Rodeio Bonito (3), e Rondinha (2), Trindade do Sul (1), e Vicente Dutra (1); e, recentemente, em Dois Irmãos das Missões (1), Liberato Salzano (3), Iraí (1), Palmitinho (3).


Outras 34 amostras analisadas de diversas cidades mostraram mutações compatíveis com a variante gamma (P.1), conforme notificações realizadas anteriormente.


Considerando que, desde a detecção do primeiro caso de Delta dentre as amostras estudadas (30 de julho de 2021), 52 amostras já foram analisadas, e 42 são da Delta, calcula-se um percentual de ocorrência de delta em 80% dos casos.


“Dada às características da variante delta, acreditamos que os casos suspeitos devem ser monitorados de perto para evitar o aumento súbito do número de casos em nossa região”, avalia o projeto UFSM-Detecta.


Fonte: Tribuna da Produção com informações do UFSM-Detecta


1.908 visualizações0 comentário